quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Arrival

If you could see your whole life from start to finish would you change things? 




quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

First impression 2017

Querendo escrever sobre o New Year, tendo muito a dizer sobre o ano que passou ainda. Foi quase impossível passar essa virada tendo alguma esperança de melhora. Mas a vida está ai pra nos surpreender. Certo?
E ainda fico surpresa quando vou em uma confraternização, e escuto alguém suficiente maduro aos olhos, contando de suas experiências semanais, todas envolvendo bebida, amigos, mulheres e "música".Só fico com inveja em não ter no meu meio alguém tão excepcional, desprendido e superficial a ponto de ver tudo sem sobriedade, seriedade e/ou responsabilidade.
Fico surpresa ao saber que meu colega se sente bem e normal em trair sua parceira no enredo "uma última vez 2016". Fico surpresa quando meu colega pede emprestado dinheiro e não tem a capacidade de me pagar quando preciso. Fico surpresa quando meu melhor amigo vem à cidade e não me avisa.  Fico surpresa quando meu namorado não me trata como alguém que diz me amar.
Fico surpresa quando minha amiga diz que não está feliz e tenta estragar a felicidade dos outros. Fico também quando alguém me fala que prefere não sair, do que sair e não ter bebida. E quando precisam de mais que uma boa conversa pra se divertirem.
Fico surpresa quando elegem Donald Trump para ser o ser humano mais respeitado da América, e quando o novo empresário da cidade compra um Honda Civic novo só para dizer que tem... Quando se fuma perto de um bebê... Ou quando dizem pra mim que morrem de vontade de ir no Warung. Quando três adolescentes morrem após colidirem com um ônibus por imprudência de um retardado. Quando 5 morrem afogados no mesmo dia, hora, lugar e razão. Quando há desrespeito em um lar por nada.
Essas e milhões de outras coisas me surpreenderam no decorrer/final de 2016.

Para 90% das pessoas, todo ano que se inicia significa ser, fazer agir diferente. É claro que isso dura alguns dias. E como de costume, aqui na minha terra, que esvazia neste primeiro mês do ano para habitarem por meros 10 a 15 dias Balneário Camboriú, Itapema, Florianopolis, Porto Rico, e agora um pouco Rio de Janeiro, é claro que esses dias de mudança acontecem...
O trabalho volta, e o ano continua com coisas que continuam a nos surpreender, até virarem comum.

Acreditem.... é difícil achar comum, dividir, abrir mão, roubar, ceder, respeitar, agir, doar, elogiar, abraçar, admirar. Há coisas que não são comum certo?

Sabe o que é comum? A banalidade do sentimento, sexualidade e materialização.

E saber que são poucos os que valorizam uma boa conversa sóbria, uma amizade VERDADEIRA, um organismo limpo, um amor fiel.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

NO NATAL A OBRIGAÇÃO DE SER BONDOSO E ALEGRE FAZ DE MIM UM SOCIOPATA

Quando morreu Leonard Cohen, li um artigo com um título que não esqueço: “A polidez é a melhor forma de resistência”. Como dizem os brasileiros, concordo em género, número e grau. Pessoas que me conhecem sabem que sou um homem educado. Outras, que não me conhecem mas lêem o que escrevo, imaginam um ogre. Não sou. Naturalmente polido, até em situações extremas tento manter a graciosidade. No meio da barbárie moderna, a polidez é mesmo uma forma de resistência.
Só existe um momento do ano em que o ogre emerge das profundezas. No Natal. A época, dizem, serve para despertar o amor fraternal entre os homens. No meu caso, só desperta hostilidade pelo meu semelhante. Terei cura?
Christopher Hitchens, no livro “And Yet…”, tem um texto que ajuda. Escreve Hitchens que, no Natal, ele sente que está a viver num Estado de partido único – uma espécie de Coreia do Norte com Pai Natal. Mas depois, com seu desagradável ateísmo, Hitchens erra quando afirma que a culpa é do cristianismo. Ou, como ele escreve, a culpa é do nascimento do Grande Líder, que tem de ser adorado pelas massas exaustas.
Discordo, Christopher. O melhor do Natal é mesmo o nascimento do Grande Líder. Não falo como crente. Falo como esteta. Quem escutou os coros de Natal em Oxford ou as modestas “missas do galo” nas aldeias de Portugal não pode ficar insensível à simplicidade bela da fé. O problema é que o Natal não lida com o Grande Líder. Para ficarmos na religião, o problema está mesmo no paganismo colorido da quadra –  e, claro, no fascismo da felicidade que tanto incomodava Hitchens.
São as mensagens que recebemos de "amigos" que desapareceram o resto do ano. É a simpatia dos colegas que desejaram ardentemente o nosso fracasso nos 11 meses anteriores. São os familiares que mal conhecemos - e que surgem com uma intimidade só tolerável em casos de demência. 
É, no fundo, a obrigação de ser bondoso e alegre e sentimental. São as árvores plásticas, as luzinhas gaguejantes, as renas e o trenó. É a neve artificial. É a alegria artificial. 
Eu tento me controlar. Leio Charles Dickens de espírito aberto. Sem sucesso. Devo ser a única pessoa do mundo que, depois de ler "A Christmas Carol" lamenta profundamente a mudança de Mr Scrooge.
Repito: Terei cura? Um psicanalista perguntaria pela minha infância. A minha mãe confirma que sempre tive uma relação problemática com Papai Noel. Aos seis anos, por exemplo, tentei caçá-lo. Explico. O plano era esperar que o velho descesse pela chaminé e, com uma rede de pesca, capturá-lo.
Os meus pais, alarmados com os primeiros sinais de sociopatia, tentaram ser pedagógicos. Sequestrar o Papai Noel significava ficar sem presentes para o resto da vida.
Mas eu tinha outras ideias e, aqui entre nós, o demônio capitalista já tinha infectado o meu ser. Depois de capturado, o Papai Noel seria exibido em barracas de feira, como se fosse King Kong. COm o dinheiro dos ingressos, eu próprio compraria os presentes.
E assim foi. Montei minha tenda junto à chaminé e espere toda a noite. "Toda a noite", vírgula: vencido pelo cansaço, adormeci entretanto, quando acordei, o infame já tinha visitado o lar, e, supremo insulto, havia uma Polaroid da minha pessoa, dormindo no chão da sala, com uma rede de pesca na mão. E a legenda: "Ho ho ho".
Esse psicanalista imaginário diria que o mistério está explicado. Aos seis anos, quando ainda acreditava no barbudo, fui humilhado por ele. QUando chega dezembro, o barbudo anda à solta. e a alegria totalitária do natal só serve para cutucar uma ferida infantil que nunca cicatrizou realmente.
Aquele Ho ho ho eco em todos os becos e esquinas.
Apesar de obvia, é uma boa teoria. O que me leva a pensar que o caminho da catarse talvez passe por um bom relatório médico que me permita pedir uma indenização. Por "stress pós natalino"
Depois, dezembro chegava e eu com o relatorio na mão fazia uma pausa no trabalho, evitada as compras no shopping, resgatava o corpo e a mente dos "jantares de natal" e recolhia-me no quarto com uma bibliografia terapêutica e um xarope para os nervos. 

Folha de SP - João Pereira Coutinho

sexta-feira, 4 de novembro de 2016

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Emily Middlemas



Best performance so far. Favorite song.

Sam or Emily? OhGod.

sábado, 22 de outubro de 2016

SEU SIGNO

O seu signo não deve de forma alguma ser responsável por suas atitudes

Já está na hora de você amadurecer e parar de tentar justificar o injustificável. Você traiu seu namorado(a) e a culpa não foi do seu ascendente, a culpa foi sua de não conseguir controlar seus extintos.
Signos possuem sua coesão e podem refletir na sua personalidade, porém, ela não deve ser generalizada, até porque, não é todo dia que seu horóscopo diário condiz com a sua realidade atual, por exemplo. Entenda que ninguém tem culpa se você age por impulso e não respeita quem te ama. Assuma a responsabilidade dos seus atos e aprenda a arcar com as consequências sozinho.
Seu signo não deve definir totalmente quem você é, são suas atitudes que demonstram quem você se tornou, e isso é um fato que você precisa aceitar. É possível que seu signo possa influenciar na sua vida direta ou indiretamente, mas culpar o zodíaco por sua falta de respeito e amor para com o próximo é inaceitável.
Ninguém trai porque não usou a cor do dia do horóscopo. Ninguém maltrata porque está no inferno astral. Ninguém é totalmente ruim porque é de escorpião. Ninguém é totalmente largado por ser de aquário. Não use seu signo como desculpas, use-o para disseminar amor.
O zodíaco quer o seu bem, por isso, diariamente, ele dá dicas para que você saiba aproveitar ao máximo o seu dia. Mas isso não significa que o que foi dito ou escrito irá acontecer, são probabilidades não uma exatidão. Não destrua algo tão bonito e bacana por preferir culpar o universo por seus problemas.
Respeite o seu signo, se respeite. Sua falta de respeito e amor não deveria ter nada a ver com seu mapa astral, nem os problemas diários que você encontra pela frente. A culpa não é das estrelas. Nem do universo. Nem do seu signo, ela é inteira e totalmente responsabilidade tua.

https://pequenoromeu.wordpress.com