quarta-feira, 26 de julho de 2017

Visão de Americano no Brasil.

Vejo muitos vídeos e relatos sobre como podemos ser, ou somos tratados lá fora sem ser turista, sempre quis ir embora do país, não por não gostar do Brasil ou brasileiros, só acho que nasci no país errado. Um país atrasado, de cultura diversificada e desigual, onde a educação é terceiro plano porque a sobrevivência obviamente está em primeiro, em segundo "ser brasileiro"com todo o futebol e "samba no pé". Nossa Guá, que preconceito. Queria que não fosse só isso, mas com o passar dos anos fica claro que o RIO nos representa lá fora. Os turistas falam de bundas, samba, praias e favela. "Mas o Brasil é muito mais que isso", sim é muito mais que isso, como em qualquer lugar, é individual... a cultura, o pensamento, a educação, região e influência socioeconômica.

Este norte americano que viveu três anos no Brasil, listou o que odeia no Brasil e brasileiros. Gente, o Brasil é o paraíso... natureza, clima, uma riqueza ecológica imensa. Mas foi Deus que criou... e tirando isso, eu não sou aquela brasileira patriota que se orgulha do país e defende com dentes e garras, então claro que me identifiquei com diversos pontos da lista, algumas são mentira, mas eu aposto que TODOS os brasileiros irão concordar SIM com o que ele disse... Sem generalizar claro, porque alguns dos fatos ocorrem em diversos países dependendo muito da educação peculiar da família... Mas não neguem que o que ele disse é verdade.

Lista. Meus comentários em Vermelho.

“20 razões porque eu odeio o Brasil e os brasileiros”

“1- Eles não têm consideração por aqueles que não participam de seu círculo social. Se um vizinho toca música alta durante a noite e você lhe pedir educadamente para abaixar o som, ele vai mandar você se fu#$%. Eles simplesmente não têm educação. Se alguém esbarra em você na rua, ele nunca irá lhe pedir desculpas. Esqueça!
Eu achei essa razão bem individual e parte da educação de cada um. Sim, nos falta educação no Brasil. Mas isso pode acontecer em qualquer país... A gente tem pouco senso de "harmonia" com o próximo, o pensamento individualista aqui se sobressai sem dúvida. Nunca me esqueço, quando meu primo voltou da google em São Francisco, ele me disse: Lá eles crescem, porque quando tem uma ideia, eles compartilham, se ajudam e surgem novas idéias... aqui, se você tem uma ideia, você guarda pra você, pra ninguém roubar... resumindo... esquecem de que um dia a festa pode ser sua.
2- Eles são agressivos e querem levar vantagem em tudo. No trânsito, por exemplo … se tiverem uma forma de ultrapassar você, assim o farão. E jogam o carro pra cima sem dó nem piedade.
De novo, educação... falta mesmo, lembro me que no chile, há muito respeito no transito, dizem mesmo que o Brasileiro é mal educado. Depende muito da cidade, há motoristas mais educados em certas cidades do Brasil, como Joinville, muito melhor que aqui em Maringá.
3- Eles não respeitam o meio ambiente […] jogam lixo na rua, na natureza, nos rios … em qualquer lugar. Os recursos naturais estão sendo desperdiçados. O país é muito sujo.
Cara, 7,4 mil Km de litoral no Brasil. E mais da metade, são praias impróprias para banho. Isso não quer dizer que não há banhistas. Quer dizer que não tão nem ai... Na exame saiu uma lista 2017 de praias impróprias para uso. Vergonha. Mas saneamento ambiental, cadê?
4- Eles toleram a corrupção no governo e no setor privado […] a população elege os mesmos corruptos de sempre.
...e ninguém pode negaaaaaaaar!

5- As mulheres no Brasil são obcecadas com seus corpos e adoram uma competição entre si.
... e também ninguémmm pode negaaar! Mas sei que agora que a magreza tá em alta, acham que elas querem basear seu corpo em AMERICANAS Victoria's Secrets Angels e atrizes formol hollywoodianas claro. Mas aqui é sim uma obsessão insaciável de quem tem a maior bunda, o maior silicone e claro que ganhamos disparado de qualquer lugar no mundo a % de realização de procedimentos estéticos plásticos (silicone), e o índice de menor idade para colocar a prótese também.  Sim, com 15 anos silico já é tipo celular. 
6- Os homens acham ‘legal’ trair as mulheres e o fazem com o maior descaramento. Não há fidelidade.
... De novo, educação... O respeito com o seu companheiro pode dizer muito sobre você, relacionamento não é contrato, é compromisso, e se assumiu tal compromisso com alguém e o traiu, isso diz respeito a seu caráter individual ou a FALTA dele. O que também acho que se estende com certeza além das fronteiras brasileiras. 
Mas sobre os homens acharem "legal" trair, eu concordo. Aqui é muito comum sentar no bar, ir pra balada e não ter hora pra voltar, diferente dos outros países. E aquele "sair com os amigos" dependendo da "educação" do meio, é tão fútil, pobre, pequeno, que os assuntos são tão banais como as pessoas que estão falando sobre... mulher é um dos principais, casados, solteiros, namorando, a infidelidade aqui acontece sim e não sentem vergonha disso. Se vangloriam, mas porque é fácil ter mulher aqui, qualquer uma, qualquer corpão melhor que o da sua mulher que está cuidando dos filhos, e elas se jogam em cima dos homens. Você fica com alguém, já querem meter a mão na sua bunda, nos peitos, te levar pra qualquer merda de lugar. O homem aqui é mal educado, as mulheres cada vez mais. Lá fora eles podem chamar de "slut" hahahah ou "mulheres modernas" não há mais o "cortejar", "encantar", "flertar"... aqui no linguajar popular é sim "putaria". e nós que queremos a second date, não somos valorizadas.
7- Eles são mal educados e falam mal dos outros publicamente […] não se importam em ferir os sentimentos de outra pessoa.
... Educação de novo, falamos mal sim, mas é relativo e também individual.
8- Os trabalhadores são geralmente malandros, preguiçosos e atrasados […] querem ganhar muito e trabalhar pouco. Eles acham que o governo tem que dar tudo (bolsa isso … bolsa-aquilo). Não estudam, não se capacitam e adoram ficar resmungando pelos cantos.
Então, eu não sei onde esse cara morou, brasileiro tem sim fama de ser atrasado em todos os países. mas já vi que alguns países, como a Austrália admira a "correria" que muitos tem no Brasil... Já as bolsas, e condições e leis trabalhistas eu também não concordo como um todo. E de novo, educação... como eu disse lá em cima, como vão investir em capacitação se não tem o que comer ou onde morar? 
9- Os ricos são arrogantes, insensíveis e acham que estão acima da justiça […] os pobres ganham tão pouco que mal conseguem se alimentar e não têm esperanças de futuro, por isso partem para o crime.
 ... Acho que essa razão também é uma questão individual. Mas o fato é que o dinheiro aqui é muito relevante. Não importa o que seja, o crime que comete ou o desrespeito a lei, se você tem dinheiro, você sempre vai pagar menos pelo que cometeu, ou se não tiver também... Mas descordo com o amigão, há pobres honestos e educados que sabem que o crime, drogas é errado, e riquinhos fumando um todo dia, se drogando nas festinhas, estuprando bebinhas e roubando colegas. Relativo e em qualquer país. 
10- Os brasileiros não esperam você terminar de falar […] eles te interrompem e começam a tagarelar […] é uma espécie de competição para ser ouvido.
... isso é verdade, é errado, as vezes ME irrita. Mas muita gente não se importa aqui e não vê como falta de educação, é bem costume mesmo. 
11- A polícia é incapaz, ganha pouco, não cumpre as leis para proteger a população, que por sua vez não respeita a polícia. As pessoas vivem cercadas por muros, grades, alarmes, cercas elétricas e constantemente estão em pânico por medo da violência.
Certo, certo, certo, certo. certo, certo. Hahahahhaha. Algumas cidades são mais tranquilas de outras, vamos tirar Rio, Curitiba, São Paulo, do mapa. Mas é muito diferente dos Estados Unidos com certeza.
12- Eles tornam tudo inconveniente e difícil […] a burocracia que os políticos impõem para os cidadãos é algo de outro mundo. Os impostos do Brasil nunca retornam para o povo […] eles são roubados na ‘cara dura’.
Tapa na cara
13- Voltando ao assuntos dos impostos, eles pagam taxas absurdas para tudo (produtos de casa, eletrônicos, carros, arroz, feijão, etc…). Os empresários são obrigados a seguir as leis para sustentar um governo corrupto e quase nunca conseguem fazer lucro.
Chute na cara
14- O verão é quente como o inferno e dura 9 meses do ano. As casas não possuem isolamento térmico. Você sofre de calor durante 9 meses e passa frio nos outros 3.
Hahahahhahaha, e as casas são 10X mais caras que nos outros países. QUE MERDA.

15- A comida é sem graça, repetitiva e inconveniente. Quase não existe alimentos congelados ou prontos para serem consumidos. Quando você encontra, o preço é absurdamente elevado.
Eu não sei vocês, mas eu não sou muito da comida brasileira. mas sou a favor do alimento FRESCO (e não pronto e congelado), e gosto muito de coxinha, pão de queijo e brigadeiro. Acho repetitivo também arroz, feijão, bife, feijoada, farofa e cerveja. Mas o que eles comem? Mac and Cheese? Ah, faça me o favor...
16- Eles são muito sociáveis e quase nunca saem sozinhos. Você não consegue descansar nos fins de semana […] é quase que ‘obrigatório’ convidar as pessoas para ir na sua casa.
Concordo e discordo. Há pessoas e pessoas, mas a grande maioria é sim sociável e insuportavelmente inconveniente. Acho que pela minha família ser metade oriental, temos mais "privacidade", mas é bem relativo também, em Curitiba por exemplo, não há encontros e churrasquinhos como onde eu moro. Mas "somos um povo mais "quente" sim.
17- Eles não saem debaixo das ‘asas’ do papai e da mamãe. Moram todos juntos, espremidos. Ficam perto emocional e geograficamente durante toda a vida. As famílias vivem intrometendo na vida do casal (aconteceu comigo) e fazem fofocas diariamente.
É, uma coisa que eu admiro muiiiito nos Estados Unidos, Europa, Canadá, etc... é que os filhos saem de casa na maioridade, arrumam suas próprias casas e seguem sua vida. Aqui não existe isso de fato. Com 18, 20, 30 estamos ainda na casa dos pais. A galera aqui no Brasil sai de casa quando CASA. Por isso tantos divórcios e é sim uma merda, mas acho que o fato de tudo ser muito difícil e caro aqui dificulta (pelo menos a minha) saída e se sustentar sozinho dependendo da sua condição financeira é inviável totalmente. Mas o que realmente influencia é a cultura. (Sair de casa quando casar, porque a mulher pode ser mal vista religiosamente talvez). E as famílias vão interferir depende do espaço que lhes der. Se eu morar longe ou não. Então é relativo também. Mas o amigão ai que morou na casa do sogro e sogra. Porque não alugou uma casinha 1000km de distância? 
18- Serviços básicos como eletricidade, água, esgoto e internet são péssimos e/ou ausentes na maior parte do país […] quando você encontra esses serviços, eles são absurdamente caros e ruins.
Meus amigos que vão constantemente pra fora, dizem que há internet no ar. hahahaha aqui não tem bosta nenhuma de internet mesmo e é merda e caro. Mas o American ai se ficou privado de eletricidade, água e esgoto deve ter morado na selva. 
19- A qualidade da água é reprovável.
Não acho. Tirando as praias impróprias pra banho e a água de São Paulo que tem gosto de ferro.
20- Só existe um tipo de cerveja no Brasil e é composta basicamente de água […] é uma porcaria. As cervejas importadas custam os olhos da cara.”

Errado, existem várias composta basicamente de água (e milho) hahahahahah.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

How long?

Sempre gostei de ver videoclipes americanos, conectar o vídeo a música, saber o que realmente o artista quer passar... Semana passada procurando músicas, vi no youtube uma janela com uma música da Rihanna onde havia uma foto de uma moça loira gordinha, vi o vídeo (não oficial) e não parei de pensar nele a semana toda. O vídeo fala sobre aparência, ser o que você não é. O clip é da cantora Sannie.

Já falei milhares de vezes aqui sobre superficialidade, futilidade e "padrão" da sociedade. Todo mundo sabe que é uma coisa que me incomoda... Não falo sobre mudança, mudar o corte, a cor do cabelo, estilo de vida, estilo de roupas... Falo sobre mudar tudo, e não me diga que é para agradar a si mesmo (porque não me sinto bem comigo mesma). Claro que existe uma explicação pra isso, e a sociedade influencia o que? quase 70% da sua aparência?

Decidi escrever porque ontem fui hidratar meus cabelos no salão de beleza, e se você quiser ouvir todos os tipos de comentários, palpites e opiniões é lá que você vai encontrar. Depois de um comentário sobre o "Homem asqueroso" lembrei do vídeo... e porque isso pode ser normal?
Deixe-me explicar... elas falavam sobre o "homem asqueroso" que "come" qualquer coisa, quando tem... Lógico que é nojento, um tanto ridículo, pobre, vazio, fraco. Mas o interessante é que eu não ouvi nada sobre "mulher asquerosa"... engraçado né?

Este homem vê a mulher como se estivesse num frigorífico, um pedaço de coxa, nádegas grandes, seios fartos, cabelos longos, ele enxerga a mulher aos pedaços...
E eu acho que uma mulher bonita não é essa ai que elogiam as pernas, a bunda, os peitões... mas aquela cuja inteira aparência é de tal beleza que não há possibilidade de admirar partes isoladas, e o homem que sabe e nota isso, pode se gabar.
Mas de que adianta vê-la como um todo se há silicone dos peitos, lipo na barriga, cabelos loiros alisados, cílios definitivos, sobrancelha  definitiva, maquiagem "pra malhar"?
Moça... Quem é você?
Quando "se cuidar" virou isso?

De novo, mudar quem você é pra quem? "Ficar bonita, pra eu me sentir bem", ouço isso e cara, cada um deve se sentir bem do seu jeito, eu acredito nisso sim... espero que entendam que falo especificamente sobre influência...
Vittorio Buttafava dizia... " É bom que as mulheres bonitas sejam estúpidas. Se também fossem inteligentes, seria uma injustiça." Creio que justamente porque a mulher que se preocupa em evidenciar sua beleza, anuncia ela própria que não tem outro maior mérito. E serve para os machos também, você deve pensar: o homem "asqueroso" merece com certeza a mulher objeto... Mas as vezes ele não sabe que ela é por inteiro objeto, pois ela tenta não ser, e ele tenta não ser asqueroso... e o amor acontece...

Mas dizem que AMOR é o que acontece entre um homem e uma mulher que não se conhecem muito bem... Será que o verdadeiro AMOR permanece depois de se conhecerem se aceitarem ou serem bons um para o outro? E vai embora quando não há mais interesse físico, intelectual, mútuo... Mas Oscar Wilde uma vez disse que as pessoas mais interessantes são os homens que têm futuro e as mulheres que têm passado... (certa de que ele não falava de um passado vagabundo), não é de se duvidar que isso pode fazer total sentido...
Já que é provado que a maioria dos homens amam suas esposas pelo que elas SÃO e não pelo que aparentam, E então vêm o fato de que A MULHER que eles amam, poucas vezes satisfaz suas necessidades, por isso são infiéis com a mulher que não amam? A mulher objeto? E vice versa?

É muito fácil um homem ou mulher buscar fora... porque em casa os problemas dormem com você. Rotina, finanças, problemas... ninguém busca seu parceiro... e a mulher não liga... porque?

Vocês sabem sobre o libido feminino?
Sabe-se que no homem o desejo gera o amor e na mulher o amor gera o desejo. Quando mais amor, mais desejo. (Não estou falando de paixão), mas não é só isso... o que mexe com a libido feminina a longo prazo não é só beleza física, é a inteligência, o interesse, o conjunto deles... É mental. (conexão intelectual*) Por isso revistas de homens nus só são vendidas para homens homossexuais... Seria fácil demais ficar excitada vendo um par de peitos e uma vagina depilada.

Me pergunto se os homens se tornariam maiores apreciadores da beleza interior se isso não existisse tão explicitamente... ou se certas mulheres cuidassem mais da mente e do espírito do que cuidam do corpo, mas as que cuidam da mente, filhos e casa são desvalorizadas e traídas porque seus maridos são tão injustos que exigem de suas mulheres uma fidelidade que eles estão sempre violando... Plutarco comparou os homens como aqueles generais de exército que, embora fujam do inimigo, ainda querem que seus soldados defendam valorosamente suas posições.

O fato é, que os homens não sabem valorizar suas mulheres, e isso eles deixam para os outros fazerem, e isso serve também para as mulheres.
Já ouvi chamarem o "namorado" da amiga de ideal... mas em público ele é considerado TOLO por ser romântico. E dizem que são raros os homens românticos, porque as mulheres estão ocupadas demais para valorizá-los.

A mulher dá-se como prêmio ao FRACO e apoio ao FORTE, e nunca ninguém tem o que precisa... que ironia...

O vídeoclipe não oficial abaixo.



quinta-feira, 6 de julho de 2017

Homeland.

Há uma teoria...
de que os homens temem que suas esposas sejam loucas...
e as mulheres temem que seus maridos sejam fracassados....

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Arrival

If you could see your whole life from start to finish would you change things? 




quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

First impression 2017

Querendo escrever sobre o New Year, tendo muito a dizer sobre o ano que passou ainda. Foi quase impossível passar essa virada tendo alguma esperança de melhora. Mas a vida está ai pra nos surpreender. Certo?
E ainda fico surpresa quando vou em uma confraternização, e escuto alguém suficiente maduro aos olhos, contando de suas experiências semanais, todas envolvendo bebida, amigos, mulheres e "música".Só fico com inveja em não ter no meu meio alguém tão excepcional, desprendido e superficial a ponto de ver tudo sem sobriedade, seriedade e/ou responsabilidade.
Fico surpresa ao saber que meu colega se sente bem e normal em trair sua parceira no enredo "uma última vez 2016". Fico surpresa quando meu colega pede emprestado dinheiro e não tem a capacidade de me pagar quando preciso. Fico surpresa quando meu melhor amigo vem à cidade e não me avisa.  Fico surpresa quando meu namorado não me trata como alguém que diz me amar.
Fico surpresa quando minha amiga diz que não está feliz e tenta estragar a felicidade dos outros. Fico também quando alguém me fala que prefere não sair, do que sair e não ter bebida. E quando precisam de mais que uma boa conversa pra se divertirem.
Fico surpresa quando elegem Donald Trump para ser o ser humano mais respeitado da América, e quando o novo empresário da cidade compra um Honda Civic novo só para dizer que tem... Quando se fuma perto de um bebê... Ou quando dizem pra mim que morrem de vontade de ir no Warung. Quando três adolescentes morrem após colidirem com um ônibus por imprudência de um retardado. Quando 5 morrem afogados no mesmo dia, hora, lugar e razão. Quando há desrespeito em um lar por nada.
Essas e milhões de outras coisas me surpreenderam no decorrer/final de 2016.

Para 90% das pessoas, todo ano que se inicia significa ser, fazer agir diferente. É claro que isso dura alguns dias. E como de costume, aqui na minha terra, que esvazia neste primeiro mês do ano para habitarem por meros 10 a 15 dias Balneário Camboriú, Itapema, Florianopolis, Porto Rico, e agora um pouco Rio de Janeiro, é claro que esses dias de mudança acontecem...
O trabalho volta, e o ano continua com coisas que continuam a nos surpreender, até virarem comum.

Acreditem.... é difícil achar comum, dividir, abrir mão, roubar, ceder, respeitar, agir, doar, elogiar, abraçar, admirar. Há coisas que não são comum certo?

Sabe o que é comum? A banalidade do sentimento, sexualidade e materialização.

E saber que são poucos os que valorizam uma boa conversa sóbria, uma amizade VERDADEIRA, um organismo limpo, um amor fiel.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

NO NATAL A OBRIGAÇÃO DE SER BONDOSO E ALEGRE FAZ DE MIM UM SOCIOPATA

Quando morreu Leonard Cohen, li um artigo com um título que não esqueço: “A polidez é a melhor forma de resistência”. Como dizem os brasileiros, concordo em género, número e grau. Pessoas que me conhecem sabem que sou um homem educado. Outras, que não me conhecem mas lêem o que escrevo, imaginam um ogre. Não sou. Naturalmente polido, até em situações extremas tento manter a graciosidade. No meio da barbárie moderna, a polidez é mesmo uma forma de resistência.
Só existe um momento do ano em que o ogre emerge das profundezas. No Natal. A época, dizem, serve para despertar o amor fraternal entre os homens. No meu caso, só desperta hostilidade pelo meu semelhante. Terei cura?
Christopher Hitchens, no livro “And Yet…”, tem um texto que ajuda. Escreve Hitchens que, no Natal, ele sente que está a viver num Estado de partido único – uma espécie de Coreia do Norte com Pai Natal. Mas depois, com seu desagradável ateísmo, Hitchens erra quando afirma que a culpa é do cristianismo. Ou, como ele escreve, a culpa é do nascimento do Grande Líder, que tem de ser adorado pelas massas exaustas.
Discordo, Christopher. O melhor do Natal é mesmo o nascimento do Grande Líder. Não falo como crente. Falo como esteta. Quem escutou os coros de Natal em Oxford ou as modestas “missas do galo” nas aldeias de Portugal não pode ficar insensível à simplicidade bela da fé. O problema é que o Natal não lida com o Grande Líder. Para ficarmos na religião, o problema está mesmo no paganismo colorido da quadra –  e, claro, no fascismo da felicidade que tanto incomodava Hitchens.
São as mensagens que recebemos de "amigos" que desapareceram o resto do ano. É a simpatia dos colegas que desejaram ardentemente o nosso fracasso nos 11 meses anteriores. São os familiares que mal conhecemos - e que surgem com uma intimidade só tolerável em casos de demência. 
É, no fundo, a obrigação de ser bondoso e alegre e sentimental. São as árvores plásticas, as luzinhas gaguejantes, as renas e o trenó. É a neve artificial. É a alegria artificial. 
Eu tento me controlar. Leio Charles Dickens de espírito aberto. Sem sucesso. Devo ser a única pessoa do mundo que, depois de ler "A Christmas Carol" lamenta profundamente a mudança de Mr Scrooge.
Repito: Terei cura? Um psicanalista perguntaria pela minha infância. A minha mãe confirma que sempre tive uma relação problemática com Papai Noel. Aos seis anos, por exemplo, tentei caçá-lo. Explico. O plano era esperar que o velho descesse pela chaminé e, com uma rede de pesca, capturá-lo.
Os meus pais, alarmados com os primeiros sinais de sociopatia, tentaram ser pedagógicos. Sequestrar o Papai Noel significava ficar sem presentes para o resto da vida.
Mas eu tinha outras ideias e, aqui entre nós, o demônio capitalista já tinha infectado o meu ser. Depois de capturado, o Papai Noel seria exibido em barracas de feira, como se fosse King Kong. COm o dinheiro dos ingressos, eu próprio compraria os presentes.
E assim foi. Montei minha tenda junto à chaminé e espere toda a noite. "Toda a noite", vírgula: vencido pelo cansaço, adormeci entretanto, quando acordei, o infame já tinha visitado o lar, e, supremo insulto, havia uma Polaroid da minha pessoa, dormindo no chão da sala, com uma rede de pesca na mão. E a legenda: "Ho ho ho".
Esse psicanalista imaginário diria que o mistério está explicado. Aos seis anos, quando ainda acreditava no barbudo, fui humilhado por ele. QUando chega dezembro, o barbudo anda à solta. e a alegria totalitária do natal só serve para cutucar uma ferida infantil que nunca cicatrizou realmente.
Aquele Ho ho ho eco em todos os becos e esquinas.
Apesar de obvia, é uma boa teoria. O que me leva a pensar que o caminho da catarse talvez passe por um bom relatório médico que me permita pedir uma indenização. Por "stress pós natalino"
Depois, dezembro chegava e eu com o relatorio na mão fazia uma pausa no trabalho, evitada as compras no shopping, resgatava o corpo e a mente dos "jantares de natal" e recolhia-me no quarto com uma bibliografia terapêutica e um xarope para os nervos. 

Folha de SP - João Pereira Coutinho