quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017

Arrival

If you could see your whole life from start to finish would you change things? 




quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

First impression 2017

Querendo escrever sobre o New Year, tendo muito a dizer sobre o ano que passou ainda. Foi quase impossível passar essa virada tendo alguma esperança de melhora. Mas a vida está ai pra nos surpreender. Certo?
E ainda fico surpresa quando vou em uma confraternização, e escuto alguém suficiente maduro aos olhos, contando de suas experiências semanais, todas envolvendo bebida, amigos, mulheres e "música".Só fico com inveja em não ter no meu meio alguém tão excepcional, desprendido e superficial a ponto de ver tudo sem sobriedade, seriedade e/ou responsabilidade.
Fico surpresa ao saber que meu colega se sente bem e normal em trair sua parceira no enredo "uma última vez 2016". Fico surpresa quando meu colega pede emprestado dinheiro e não tem a capacidade de me pagar quando preciso. Fico surpresa quando meu melhor amigo vem à cidade e não me avisa.  Fico surpresa quando meu namorado não me trata como alguém que diz me amar.
Fico surpresa quando minha amiga diz que não está feliz e tenta estragar a felicidade dos outros. Fico também quando alguém me fala que prefere não sair, do que sair e não ter bebida. E quando precisam de mais que uma boa conversa pra se divertirem.
Fico surpresa quando elegem Donald Trump para ser o ser humano mais respeitado da América, e quando o novo empresário da cidade compra um Honda Civic novo só para dizer que tem... Quando se fuma perto de um bebê... Ou quando dizem pra mim que morrem de vontade de ir no Warung. Quando três adolescentes morrem após colidirem com um ônibus por imprudência de um retardado. Quando 5 morrem afogados no mesmo dia, hora, lugar e razão. Quando há desrespeito em um lar por nada.
Essas e milhões de outras coisas me surpreenderam no decorrer/final de 2016.

Para 90% das pessoas, todo ano que se inicia significa ser, fazer agir diferente. É claro que isso dura alguns dias. E como de costume, aqui na minha terra, que esvazia neste primeiro mês do ano para habitarem por meros 10 a 15 dias Balneário Camboriú, Itapema, Florianopolis, Porto Rico, e agora um pouco Rio de Janeiro, é claro que esses dias de mudança acontecem...
O trabalho volta, e o ano continua com coisas que continuam a nos surpreender, até virarem comum.

Acreditem.... é difícil achar comum, dividir, abrir mão, roubar, ceder, respeitar, agir, doar, elogiar, abraçar, admirar. Há coisas que não são comum certo?

Sabe o que é comum? A banalidade do sentimento, sexualidade e materialização.

E saber que são poucos os que valorizam uma boa conversa sóbria, uma amizade VERDADEIRA, um organismo limpo, um amor fiel.